Buscar
  • Atualização Trabalhista

Ausência em audiência por falta de vacinação ou exame negativo para covid gera confissão

Segundo os desembargadores, deve prevalecer o interesse público primário à saúde sobre a garantia individual daquele que não se imuniza para covid-19.


A 11ª Turma do TRT da 2ª Região (SP) manteve sentença que aplicou a pena de confissão quanto à matéria de fato a trabalhador que faltou à sua audiência. O homem alegou ter sido impedido de entrar no fórum por não apresentar comprovante de vacinação ou teste RT-PCR/antígeno não reagente. Segundo os desembargadores, deve prevalecer o interesse público primário à saúde sobre a garantia individual e não absoluta daquele que não se imuniza para covid-19 nem apresenta teste negativo para a doença.


Em seu voto, o desembargador-relator Flavio Villani Macedo lembrou que o ato normativo do TRT-2 (Ato GP/CR nº 03), que exige prova de imunização ou teste RT-PCR, foi amplamente divulgado, é enfático e vale para todos os que pretendem ingressar nas unidades do órgão. Por isso, não há que se falar em arbitrariedade para essa regra.


Para ele, além de o ato interno ser análogo a normas aplicadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e Tribunal Superior do Trabalho (TST), o documento democraticamente oferece alternativa (teste negativo) àqueles que optaram por não se vacinar.


Ao decidir, o magistrado cita julgado do STF que fixa tese de que inexistem direitos absolutos e autoriza órgãos estatais a adotar medidas restritivas em razão do interesse público ou do princípio de convivência das liberdades. Também menciona jurisprudência recente da suprema corte específica sobre vacinação.


No processo, o trabalhador não comprovou que esteve no prédio onde houve a audiência e ficou demonstrado que o advogado também não compareceu, nem informou ao juízo os motivos da ausência do homem. “(...) Ao se admitir que o autor lá esteve, isso fez por tornar insubsistente a tese de que não houve intimação pessoal acerca da aplicação da confissão“, concluiu o desembargador. Com a decisão, o trabalhador não conseguiu anular a sentença e a instrução processual não foi reaberta.


Fonte: TRT da 2ª Região (SP)

10 visualizações0 comentário