CNJ: Cargo de escrivão de polícia é atividade jurídica válida em concurso para juiz

Decisão unânime se deu na última terça-feira, 23.

Na última terça-feira, 23, o plenário do CNJ decidiu que o cargo de escrivão da Polícia Civil pode ser considerado para comprovação de atividade jurídica no concurso para juiz de Direito substituto.


À unanimidade, o plenário pontuou que candidato deve ser bacharel em Direito e agregar o exercício das atividades por mais de três anos após a concessão do título.


Em consulta, uma advogada pedia esclarecimentos da configuração da prática jurídica exigida como requisito para ingresso na carreira da magistratura.


A relatora, conselheira Cristiana Ziouva, descreveu as atividades do escrivão de polícia, afirmando que a função exige conhecimento jurídico e, por isso, atende à resolução 75/09 do CNJ, que dispõe sobre os concursos públicos para ingresso na carreira da magistratura em todos os ramos do Poder Judiciário nacional.


Em seu voto, a conselheira definiu que “o cargo [escrivão de polícia] pode ser considerado para as atividades jurídicas, desde que haja comprovação do órgão competente, e sendo analisada pela comissão realizadora do concurso”.


O presidente do CNJ e do STF, ministro Dias Toffoli, sugeriu à conselheira agregar a exigência de bacharelado em Direito aos três anos de exercício como escrivão, para garantir, assim, observação completa à resolução.


Processo: 0009079-37.2017.2.00.0000


Informações: CNJ.

36 visualizações

Sobre nós

Conteúdo Gratuito

Termos e Políticas

Fale conosco

  • Instagram - Black Circle

ATUALIZACAOTRABALHISTA.COM.BR  ©  2019

CNPJ: 29.932.961/0001-16